domingo, 7 de outubro de 2018

Como o acaso é engraçado, né?

Voltando de ônibus eu conheci uma das pessoas mais incríveis da vida. Haroldo dá aula de geografia para o ensino médio e faz um trabalho muito massa de mostrar pras meninas que elas podem ser incríveis. Traz referências de mulheres fodas e tá na luta com elas dia a dia. A gente veio trocando idéia por pelo menos uma hora de viagem. E eu percebi como eu sinto falta de olhar de olho e de conversar. Eu e o Haroldo conversamos sobre política, sobre relações românticas, sobre trabalho, sobre faculdade, sobre depressão, sobre metas, sobre yoga, sobre o Nobel desse ano, sobre violência, sobre medo... Em uma hora dá pra falar muita coisa quando você não olha no celular. E ele disse que tava precisando conversar com alguém, se abrir sobre algumas coisas, ainda mais no dia de hoje, que instiga alguns medos né... E a viagem foi se fazendo leve, pra mim que tive um dia cansativo, uma semana puxada, Haroldo não faz ideia que ele foi mais importante pra mim que eu fui pra ele.
"Vamos viver as coisas enquanto elas acontecem, com a intensidade que elas têm, não precisa ser em um bar, pode ser um banco de ônibus".
Valeu pelos devaneios e por tornar a volta pra casa melhor, gratidão.

domingo, 30 de julho de 2017

Devaneios

E bateu de novo aquela vontade de escrever. Acho que isso acontece quando eu sinto que preciso muito conversar  mas não encontro ninguém que me entenderia melhor que eu mesma. E deu vontade de correr, de ler um livro, de ver filmes cults, de tomar sorvete direto do pote e de abraçar alguém. Que loucura que é isso tudo. Uma vontade que invade o peito de não ficar em casa e de falar com qualquer pessoa ao telefone. Tudo isso por uma simples descoberta e porque eu não sei como me sinto por dentro. Não me sinto mal pra falar a verdade. Mas é toda uma sensação estranha. Confusão. E não parece que deveria ser assim. Mas é. Confuso, entala o ar que eu respiro na garganta. Tô sozinha num apartamento cheio de bagunças. E minha mente me deixa confusa. Ao mesmo tempo que quero te parabenizar, sinto que não é certo e algumas ações saem precipitadas demais. Eu e o meu jeito meio sem jeito de lidar com as nossas coisas, impulsiva. Quando vê já foi e quando vê eu já tô aqui abraçada no travesseiro escrevendo pra mim mesma que tudo deveria estar bem dentro de mim quando na verdade eu não tenho certeza se está ou se deveria estar. Nó garganta de novo. Já é 2017 e eu ainda não aprendi a me entender ou lidar com tanta coisa minha. E quando coisas assim acontecem sinto uma necessidade de arrumar tanta coisa errada que eu deixei passar ate hoje.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Dorme bem você também.

E nessa despedida costumeira, entre boa noite e dorme bem, quase que me escapa um eu te amo.

domingo, 31 de julho de 2016

Saudade.

Pra falar a verdade até da pra seguir a vida. Mas chega a noite e sinto a falta de ter como quem dividir a vida, contar sobre como foi o dia pra alguém que vai ouvir interessado nas minhas conquistas mesmo que elas sejam só conseguir limpar a casa toda em um dia, alguém que não vai julgar e vai ficar feliz pelos meus passos e vai dizer "boa noite, mor" na voz mais acalentosa do mundo. E aí dói.  O maior problema é que tem noite todo dia.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Que eu não deixe de amar a saudade que tenho.

"Saudade é uma felicidade retardada, saudade só não mata porque tem o prazer da tortura." - Gabito Nunes.
Nada melhor do Gabito para reviver toda essa saudade, essa nostalgia. Nada mais nostálgico pra mim e pra você comigo, do que Gabito. E nada que combine mais do que essa frase. Saudade... Poxa, saudade de tantas e tantas coisas. Saudade de nós, confesso viu?! E pra matar a saudade, vim reler a nossa história hoje, e relendo me lembro de cada entrelinha dos textos. Mas para que você possa matar a saudade junto eu tenho que escrever né. Primeiro peço desculpas, ano passado fizemos 5 anos. E eu não fiz festa, não teve bolo, não teve presente e nem um mísero lembrete. Mas sempre que eu vinha aqui e via que o mês de aniversário ficou vazio, batia em mim mesma esse vazio. Te deixei sozinho por um bom tempo, mesmo que você nunca tenha me deixado na mão. Tô vindo aqui hoje por mera saudade de escrever, por desejo de colocar qualquer coisa em palavras. Essa semana mesmo eu fiz isso. Falei um pouco sobre mim em uma folha e, fiquei feliz. Há tempos não ficava feliz em escrever. Sentia saudades da sensação de escrever, saudades dos mil personagens que eu pude dar forma, e saudade de ter sempre comigo um amigo para as horas ruins. É tão bom ter uma parte de mim(5 anos até que é uma parte significativa de mim). É bom me encontrar em algum no qual eu me reconheça. Então obrigada por estar aqui enquanto eu fazia minhas algumas anotações. Não prometo voltar sempre, mas prometo voltar. E assim, faço nosso re-começo. Conta comigo ?

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Insônia.

Perdi o sono. Depois dele a coisa mais importante é você. Não me deixe te perder também.

sábado, 28 de junho de 2014

Faz frio.

Maldito barulho de chuva, que insisti em me fazer pedir teu colo e ser tua saudade.