quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Me esqueci do perigo que é colocar o coração nas mãos de alguém e dizer: toma, faz o que quiser com ele!

- E o que você achou?
- Da conversa de vocês?!
- É!
- Foi confortante pra mim, porque as vezes eu acho que ele faz tudo isso pra me iludir, então é bom saber o que se passa com ele. Que ele gosta de mim, nem que seja um pouco e que sente ciúmes. Eu sei que ele não é o cara certo pra mim, porque todo mundo, até você, já esfregou isso na minha cara. Eu devo tomar cuidado e mereço coisa melhor. Até meu sub-consciente já entendeu isso. Mas quando ele me abraça... eu esqueço de tudo isso. Esqueço que ele pode me fazer sofrer. Por mais que eu saiba, que não vai dar certo, eu quero tentar sabe?! Porque é o abraço dele que parece ser o melhor do mundo. É nas brincadeiras dele, que eu sou gamada. Nesse jeito meio cafajeste, mas que consegue ser carinhoso. Eu tenho uma liberdade enorme com ele, e não sei se isso é bom. Mas tudo parece fácil. Ele tá aqui, eu também. A gente tá junto nessa. Essa ideia parece ser tão boa. A gente junto. Ele me ajudando, e eu ajudando ele. Essa ideia, de ter ele do meu lado, me contagia, me passa uma energia tão boa. E por mais que existam outras 6 bilhões de pessoas no mundo, eu quero tentar algo com ele.

2 comentários:

Any disse...

6 milhões pessoas no mundo fuuve!? muuito maiis fiia
hasushausahuashuashaus'
a fuve tá apaixoonada.. lálálálálálá

Natália disse...

Quem pode afirmar que o que ele disse é verdade?

Beijo