sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Se me lembro bem era fevereiro de 2009.

Separados por dois anos. Mas o amor ainda continuava vivo dentro deles. Ela acordou em todos os dias desses 2 anos, depois de sonhar com ele. Ela acordava sorrindo. Ele nunca vai saber. Ele sentiu tanto a falta dela, que mal acreditava que estavam frente a frente. Eles se conhecerem em uma viagem. Viagem de amigos. Nada demais. Férias no Rio de Janeiro. Uma semana. Na viagem, eles mal se falaram. Queriam mesmo é saber de curtir as praias. O que aconteceu depois da volta, é que fez esse reencontro tão bom e esperado. Eles se falavam todas as tardes, pelo MSN. Chegaram a trocar telefone. Prometeram ligar. Mas nunca ligaram. Até esse dia. Ela estava passando pela cidade dele. Viajava com o pai, para uma reunião. Lembrou que tinha o número gravado no celular. Ligou:
 - Augusto, você não vai acreditar. Estou em Boa Esperança.
 - Nem brinca com isso, Fernanda.
 - É sério. Meu pai tem uma reunião. Vamos sair?
 - Lógico. Tenho que te apresentar a cidade.
 - A gente se encontra onde e que horas? A reunião do meu pai é as 11 horas.
 - Ah, se puder passa aqui em casa. Já são quase 11.
O entusiasmo tomou conta dos dois. Ele se arrumava, inquieto em casa. Ela ficava calada no carro. E quando eles se viram, não foi nada como o esperado. Um abraço seco e sem graça, e um oi. Nada de eu senti sua falta. O pai dela não confiava nele, e saiu olhando torto para os dois.
Ela foi andando. Ele ficou parado, apenas olhando pra ela. Ela se virou:
 - Augusto, vamos?
 - Você acha que eu vou a pé?
 - Nós vamos como então?
 - Você sempre fala que teu sonho é andar em uma motocicleta. Comprei uma esse final de semana
Os olhos dela brilharam. Não sei dizer se foi de medo, ou era emoção.
Eles foram. Abraçados, seguindo o rumo do destino. O vento nos cabelos castanhos dele, a fazia delirar. Os braços dela, apertando a cintura dele, o fazia ir as loucuras.
 - Chegamos.
 - Que lugar lindo.
 - Era daqui que eu te falava. Que vinha pra ler um livro. Esse lugar me faz pensar em você.
Ela ficou sem palavras. Se sentou.
 - Feche os olhos. Tenho uma surpresa.
Ela sentiu um arrepio na barriga. Não sabia o que aquilo queria dizer, mas achava que havia se apaixonado.
Ele tirou uma cesta de piquenique, e colocou no chão ao lado dela. Hesitou, mas deu um beijo em sua bochecha. Ela abriu os olhos. Tinha o coração na boca. Eles passaram a tarde juntos. Sentados, à beira daquele lago, embaixo daquela arvore. Quem tomou a iniciativa foi ela. Primeiro, ela se sentou ao lado dele, como se não quisesse nada. Deitou no ombro dele. Ficaram um tempo assim. Ela se virou. Beijou de leve a bochecha dele, e deu uma mordida na orelha, agora já demonstrando sentimentos. Ele segurou na nuca dela. Eles se beijaram. Era como se o tempo tivesse parado naquele instante. Não precisavam de mais nada. Tinham um ao outro. Aquilo bastava. Era suficiente. Eles eram como metades. Juntas, unidas. E aquele momento, foi eterno, para eles.


Pauta para Projeto Créativité.

4 comentários:

Any disse...

aah, que graçinha fuuve. adorei *-*

suzimara # disse...

eu adoreeeii, que romântiicoo *-*
beijooos :*
www.suzimaraleinat.blogspot.com

Renan Mendes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renan Mendes disse...

Oh, que bonitinho...
Gostei.

VAMO MONTAR UMA BANDA??? \o/